Pequenas viagens, grandes lembranças

Campanha por um mundo mais gentil: homens que se prezam abrem a porta do carro para as mulheres. (Foto: D'J Martinez)
Campanha por um mundo melhor: homens que se prezam abrem a porta do carro para elas.


Para que a paixão por carros antigos não interfira no relacionamento pessoal, é importante compartilhar os momentos prazerosos.

Por Jean Tosetto *

Que homens são apaixonados por carros, todo mundo está cansado de saber. Que nem todas as mulheres compartilham de tal sentimento, idem. Então, como fazer para administrar essas diferenças de comportamento, que tanto enriquecem a relação entre os sexos? A resposta está em oferecer doses homeopáticas de seu possante para a sua esposa, namorada ou “ficante” – essa categoria criada por adolescentes que contaminou gente adulta e até pessoas ingressando na terceira idade.

Quando você trabalha muito, as horas livres para curtir a vida ficam escassas e nestas ocasiões bate a ansiedade: você não quer deixar seu carango na garagem, mas por outro lado precisa dar atenção para a dona de seu coração. Não caia na roubada de levá-la para uma viagem muito longa, especialmente se a sua máquina for mais antiga. Todo o entusiasmo que você sente acelerando o automóvel não atinge a sua companheira na mesma medida por uma simples razão: ela não está no volante.

Quem é apenas passageira também aprecia um passeio pelo campo, mas em proporções menores. A janela aberta manualmente deixa o vento entrar, assim como o cheiro de mato e eventualmente da lenha queimando no fogão de uma colônia. Ao abaixar a capota o sol bronzeia a pele, mas são as gotículas de óleo queimado por caminhões que deixam a face mais avermelhada, perceptível quando se tira os óculos escuros. O refresco das copas das árvores se cruzando num fundo de vale é bem vindo.

Todas essas sensações – misturadas com o ronco do motor, com a conversa fácil e com os cabelos balançando junto com as pequenas ondulações do asfalto – dão lugar ao cansaço depois de uns 200 quilômetros. A partir daí o acento começa a incomodar, os buracos da pista são recebidos com irritação e o sobe e desce das regiões serranas apenas provoca enjoos.

Quem está na direção continua se divertindo, pois a concentração no comando do conjunto mecânico protela as tensões nos ombros e no pescoço. Mas quando chega o destino você olha para o lado e não vê uma pessoa satisfeita, com o potencial se despertando para admirar seu carro, mas constata que ela está agradecendo pela viagem finalmente ter se encerrado.

O segredo para evitar isso? Não ultrapasse a barreira dos 200 quilômetros e estabeleça um gostoso intervalo no meio. Vá para uma cidade não muito longe, que seja servida por uma estradinha idílica e que tenha atrativos locais. As mulheres adoram caminhar por lojinhas, em busca de produtos de artesanato e lembrancinhas. Pode ser um porre para você, mas acompanhe ela pelo lado de fora da calçada e a leve para almoçar num restaurante de fato – e não num fast-food, OK?

Nos passeios pequenos, somente os prazeres do dia vão se sobressair. Portanto, dirija de modo comedido e não banque o piloto de rali dos sertões. Quando a estrada deixar, coloque seu braço direito sobre o encosto do banco dela. Deixe a reminiscência do orvalho soprado em suas narinas misturar-se com o sabor da comida típica do lugar e depois leve a moça para tomar um café revigorante, antes de pegar o caminho de volta para casa.

Logicamente, abra sempre a porta do carro para ela, que deve perceber que você gosta ainda mais dela do que de seu veículo. Deste modo, as chances dela começar a ver sua máquina com outros olhos aumentam, a ponto de você poder combinar passeios mais distantes, desta vez sem problemas: na barreira dos 200, você pode até passar o volante para ela!

Se você pensa que estou querendo te ajudar com as garotas, lhe passando um pouco da minha experiência – que afinal de contas nem é tão grande assim – não se engane, pois a verdade é outra: estou jogando mesmo é para o time das mulheres. Ao casar com minha namorada, percebi que o mundo gira por causa delas e para elas.

Leia mais artigos da coluna "Editor Volante".
* Jean Tosetto é arquiteto desde 1999 e editor do site mplafer.net desde 2001. É também autor do livro “MP Lafer: a recriação de um ícone” - lançado em 2012. 

RevistaMotorMachine.blogspot.com.br



 Este artigo foi publicado originalmente na Revista MotorMachine número 02, em maio de 2013.

Santana de Parnaíba 2014

Ao final da rua de paralelepípedos existe a várzea do Rio Tietê.
Ao final da rua de paralelepípedos existe a várzea do Rio Tietê.

As casas do tempo da colônia recebem a visita dos MPs.
As casas do tempo da colônia recebem a visita dos MPs.

Gilberto Martines escreve em 29 de junho de 2014:

"Estou enviando umas fotos do 13º encontro anual de antigomobilismo de Santana de Parnaíba, que aconteceu neste domingo - 29 de junho de 2014 - no centro histórico da cidade. Este tradicional encontro é organizado pela Prefeitura Municipal com o apoio da Federação Paulista de Veículos Antigos e Pick-Ups Club.

O Clube do MP Lafer Brasil sempre marca sua presença com vários carros. Neste ano comparecemos com 14 exemplares estacionados em 45° ao lado da Igreja Matriz. O nosso grupo sempre se destaca muito bem entre os mais de 250 carros expostos.
  
Os visitantes puderam desfrutar de um pequeno mercado de peças, praça de alimentação, feira de artesanato e um palco para shows. O domingo amanheceu com uma temperatura muito agradável, sem chuva, isso  contribuiu para termos um número muito grande de visitantes. 

Por volta das 12 horas fomos almoçar no famoso restaurante São Paulo Antigo. Desta vez nosso grupo  não consegui ficar todo reunido para o almoço, mas mesmo assim estava tudo muito bom. Gostaria de agradecer o convite e parabenizar os organizadores. Um abraço a todos os amigos."


Membros do Clube MP Lafer Brasil almoçam em Santana de Parnaíba.
Membros do Clube MP Lafer Brasil almoçam em Santana de Parnaíba.

Veja também:

Santana de Parnaíba 2007
Santana de Parnaíba 2005

Galeria 2014: Muscolino

Michael e seu pai, Armando Muscolino, possuem este MP Lafer 1984 para locação em eventos na Itália.
Michael e seu pai, Armando Muscolino, possuem este MP Lafer 1984 para locação em eventos na Itália.

MUSCOLINO PRESTIGE SERVICE

Um dos países europeus que mais importaram o MP Lafer foi a Itália. A partir desta península banhada pelo Mar Mediterrâneo o modelo alcançou outros países do continente. Apesar do sucesso de vendas da Lafer, o conversível sempre foi raro e exótico aos olhos dos italianos, uma das razões do prestígio que o carro possui, mesmo se comparados com outras marcas, de grande tradição e popularidade.

Levando isso em consideração, Michael Muscolino e seu pai, Armando, resolveram abrir um negócio para locar o MP Lafer da família para cerimônias de casamento, formaturas e outros eventos que necessitem de um automóvel de linhas clássicas, com a confiabilidade mecânica necessária para garantir e realização da tarefa proposta.

A empresa que eles criaram atua na região da Lombardia, abrangendo também o Piemonte Orientale e o Canton Ticino. O carro fica abrigado na comuna italiana de Brenta, na província de Varese - uma localidade com menos de dois mil habitantes, mas com muita história para contar.

Para mais informações, segue o endereço do site: www.muscolinoprestigeservice.eu

www.muscolinoprestigeservice.eu
Clique na imagem acima para visitar o site de Muscolino Prestige Service.

Galeria 2014: van Diggele

Arjan van Diggele em seu MP Lafer 1976, diante de um moinho de vento da região de Delden, Holanda.
Arjan van Diggele em seu MP Lafer 1976, diante de um moinho de vento da região de Delden, Holanda.

Hartelijke Groeten uit Nederland

Paixão se remunera com paixão. É esta a constatação que se faz sempre que uma boa surpresa, relacionada com aquilo que você tanto preza, deixa o seu dia mais colorido e ensolarado. Por exemplo? No dia 10 de abril de 2014 recebemos a encomenda de um exemplar do livro "MP Lafer: a recriação de um ícone" da parte de alguém que não fala português, dado que vive na Holanda.

Arjan van Diggele se apresentou como "laferista" - assim mesmo, na grafia de nosso idioma. Os holandeses aprendem alemão, francês e inglês na escola, mas não as línguas latinas. Morando do outro lado do oceano, ele já tinha fotos de seu MP Lafer 1976 publicada na galeria do site mplafer.com - editado pelo grande chapa João Saboia.

Ao responder para o Arjan, lhe orientamos para formalizar a compra no PayPal e solicitamos que enviasse imagens de seu carro para publicação no site mplafer.net - Muito atencioso, van Diggele nos pediu para esperar alguns dias, para o verão chegar em seu país e facilitar as ocasiões para tirar o conversível da garagem.

A bordo de um MP Lafer fica mais fácil abrir um sorriso para o fotógrafo, ainda mais num cenário tão inspirador como nos campos dos países baixos da Europa.
A bordo de um MP Lafer fica mais fácil abrir um sorriso para o fotógrafo, ainda mais num cenário tão inspirador como nos campos dos países baixos da Europa.

Despachamos o exemplar do livro com a devida dedicatória no dia seguinte, e relatamos que perto de nossa casa havia uma cidade que guardava fortes referências da imigração holandesa, após a Segunda Guerra Mundial. Estávamos nos referindo ao município de Holambra, sobre o qual escrevemos um artigo para a Revista MotorMachine, publicado também neste link.

Arjan ficou surpreso ao saber que Holambra tinha um autêntico moinho de vento. Desta vez ele nos contou  que tinha certa dificuldade para encomendar peças do MP Lafer no Brasil, até que localizou na Internet a loja virtual da Bunnitu Peças e Acessórios - sediada na cidade paulista de Pirassununga, onde os atendentes se comunicam em inglês (olha aí o recado para a concorrência que estacionou no tempo).

O livro do MP Lafer chega na Holanda, numa imagem que dispensa traduções.
O livro do MP Lafer chega na Holanda, numa imagem que dispensa traduções.

Finalmente, duas semanas depois, o livro do MP Lafer chegou ao destinatário. Rico em fotografias e ilustrações coloridas e altamente explicativas, o exemplar encadernado de modo semi artesanal chamou atenção na página 41, por causa da reprodução de um anúncio das mobílias da Lafer, veiculado em revistas da Bélgica e Holanda, escrito no dialeto que ele compreendia.

Como sua filha estudou na Espanha e fez amizade com vários brasileiros, ela ficou encarregada de auxiliar o pai na compreensão do restante da obra. Neste ponto devemos confidenciar que é nosso desejo traduzir o livro para o inglês no futuro, em versão eletrônica para tablets, quando a edição impressa se esgotar.

As imagens que você aprecia neste momento chegaram no dia 07 de junho de 2014. Elas são dos primeiros dias de verão na Holanda, onde a temperatura dificilmente ultrapassa os 25 graus Celsius - suficientes para os holandeses saborearem a vida. Eles, que já aterraram parte de sua costa marítima para estender seu território, estão acostumados a fazer mais com menos. Uma lição que nós brasileiros devemos aprender.

Em meio à Copa da FIFA disputada no Brasil, van Diggele envia esta imagem de 01 de julho de 2014: o MP Lafer é amarelo, mas a torcida é pela Laranja Mecânica!
Em meio à Copa da FIFA disputada no Brasil, van Diggele envia esta imagem de 01 de julho de 2014: o MP Lafer é amarelo, mas a torcida é pela Laranja Mecânica!

Toalha bordada do MP Lafer

O MP Lafer ganha toalha bordada por iniciativa do artesão Xiko, de Joinville, Santa Catarina.
O MP Lafer ganha toalha bordada por iniciativa do artesão Xiko, de Joinville, Santa Catarina.

Existem várias maneiras de expressar o entusiasmo por algo. Quando faltam recursos financeiros o jeito é usar a criatividade. É deste modo que Xiko, artesão na cidade de Joinville em Santa Catarina, teve a ideia de trabalhar com toalhas bordadas homenageando os veículos do Brasil, especialmente aqueles fabricados entre o fim da década de 1950 e meados dos anos setenta.

Obviamente o MP Lafer não poderia ficar de fora. Para desenvolver o desenho do MP em condições de ser transposto para o tecido, o Xiko começou a pesquisar informações sobre o modelo e chegou a adquirir o livro "MP Lafer: a recriação de um ícone" através deste site. Sobre a leitura do mesmo, ele foi muito gentil em nos confidenciar: "parabenizo pelo livro do Lafer, pela qualidade, dedicação e fidelidade da obra. Valeu cada centavo, cada letra lida."

As toalhas bordadas de carros antigos feitas pelo Xiko ganharam uma fanpage no Facebook, a Brazil Sobre Rodas. As toalhas podem ser encomendadas pelo telefone (47) 9744 5720 ou pelo e-mail garajembrazil@yahoo.com.br - a toalha bordada do MP Lafer é um item que não pode faltar na coleção do laferista. Fica a dica também para quem deseja presentear alguém de forma diferenciada.

Veja também:

Miniatura personalizada do MP Lafer

Miniatura em escala 1/43 oriunda da coleção de fascículos sobre 007 pintada em vermelho.
Miniatura em escala 1/43 oriunda da coleção de fascículos sobre 007 pintada em vermelho.

Roberto Vignon mora em São Paulo e há mais de dez anos acompanha as atualizações do site mplafer.net - ele é, sem dúvida, um dos grandes entusiastas do MP Lafer. Em 04 de junho de 2014 ele nos enviou as fotografias de sua miniatura de MP Lafer personalizada, as quais temos o prazer de compartilhar com vocês.

O carrinho original era branco com interior negro e teve um grande sucesso de vendas no Brasil, onde era comercializado como parte da coleção de miniaturas dos carros usados nos filmes de James Bond. Atualmente é quase impossível encontrar uma miniatura como essa nas bancas e livrarias. Os exemplares remanescentes são vendidos por colecionadores e especialistas em miniaturas por preços cada vez mais altos.

Mesmo assim o Vignon determinou que sua miniatura devesse ficar a mais parecida possível com o MP Lafer em escala 1 para 1 que ele mantém na garagem. O trabalho, feito por um artesão que mora perto de sua casa, foi muito bem feito, como as imagens demonstram.

O interior da miniatura também foi personalizado, com painel de madeira e estofamento claro.
O interior da miniatura também foi personalizado, com painel de madeira e estofamento claro.

Veja também:

Exposição em homenagem ao Ayrton Senna

Pintura faz homenagem ao piloto brasileiro Ayrton Senna.
Pintura faz homenagem ao piloto brasileiro Ayrton Senna.

Gilberto Martines escreve em 19 de maio de 2014:

"Estou enviando um relato e algumas fotos de uma exposição de veículos antigos esportivos e clássicos, que foi realizada em 17 de maio na Vila Prudente em São Paulo, no horário das 9 às 16 horas nas dependências do Colégio João XXIII, na Rua José Zappi  n°333.

A exposição foi feita em homenagem ao nosso grande ídolo Ayrton Senna. Esse evento foi idealizado pela Associação dos Proprietários de Veículos Antigos do Estado de São Paulo. Para entrar bastava doar um quilo de alimento não perecível.

Um sósia do piloto Ayrton Senna circulou pela exposição, tirando fotos com os participantes.
Um sósia do piloto Ayrton Senna circulou pela exposição, tirando fotos com os participantes.

O espaço disponibilizado pelo colégio foi uma quadra coberta e um estacionamento descoberto. Na área coberta estavam expostos alguns veículos antigos, uma McLaren F1 MP4/8 1993 em tamanho original, um memorial ao Ayrton Senna com quatro capacetes utilizados por Ayrton, revistas de colecionadores, brinquedos e miniaturas de Ayrton, um capacete enorme de fibra que era utilizado pelo antigo Banco Nacional, patrocinador de Senna. Esteve também presente um sósia do piloto.

A abertura oficial do evento ocorreu as 10 horas e 30 minutos, com a execução do Hino Nacional Brasileiro pelo coral formado de senhoras e senhores da terceira idade, todos vestidos com roupas da década de 1930. Às 11 horas os capacetes foram expostos ao publico.Esses capacetes foram cedidos pelo Instituto Ayrton Senna, e estavam protegidos por uma caixa de vidro para não serem  tocados.

Quatro capacetes ilustram fases distintas da carreira de Ayrton Senna.
Quatro capacetes ilustram fases distintas da carreira de Ayrton Senna.

O primeiro capacete é em homenagem ao legado de 20 anos de carreira de Ayrton pela Formula 1. O segundo, pela Williams Renault 1994, foi usado no Brasil na abertura do campeonato daquele ano. O terceiro foi em homenagem a FAB em 1987, quando Ayrton foi convidado para fazer um voo pelo céu do Rio de Janeiro a bordo de um caça F5B Tiger II. O quarto, pela Toleman em 1984, quando ele subiu  ao pódio pela primeira vez.

O evento contou com a exposição de vários carros antigos e especiais - o Clube do MP Lafer Brasil esteve presente com dois MPs , o meu e do nosso amigo Carlos. Estava presente também o nosso amigo Airton, que não foi com o seu  MP porém ajudou a abrilhantar o evento expondo três de seus carros: um Santa Matilde, um Ford 1929 e um MG.

O MP Lafer de Gilberto Martines junto da miniatura de pedalar.
O MP Lafer de Gilberto Martines junto da miniatura de pedalar.

Uma réplica do mítico Jaguar XK-120 lançado na virada da década de 1950.
Uma réplica do mítico Jaguar XK-120 lançado na virada da década de 1950.

Foi cedido uma réplica de um capacete para que os visitantes pudessem tirar fotos. Posso afirmar que foi um belo encontro e gostaria de agradecer o convite e parabenizar os organizadores."


Veja também: