Galeria 2015: Rapisarda


Domenico Rapisarda possui um MP Lafer 1980 em Catania, na Sicília. Ele fez um passeio até o sopé do Vulcão Etna, levando consigo um livro especial.

Domenico Rapisarda possui um MP Lafer 1980 em Catânia, na Sicília. Ele fez um passeio até o sopé do vulcão Etna, levando consigo um livro especial.

MP LAFER VISITA O VULCÃO ETNA

A ilha da Sicília, ao sul da Itália, é mais próxima da Tunísia do que de Roma, a capital do país. O Mar Mediterrâneo separa a Europa da África e representa um obstáculo para as levas de imigrantes que fogem de guerras civis e perseguições religiosas. Aqueles que conseguem chegar na região de Catânia sentem-se salvos. Seria este recanto do mundo um paraíso na Terra?

É o que indica a presença do vulcão Etna - o maior do continente, com 3.340 metros de altura, em contínua atividade - pois nem a fumaça emitida pela montanha mitológica consegue tirar a beleza de seu entorno. Esta grandiosa atração turística é uma pedida obrigatória para quem visita o Mezzogiorno, como o sul da Itália é conhecido entre os habitantes locais.

Entre eles está Domenico Rapisarda, um amigo bem abençoado, acostumando a dirigir entre máquinas da Ferrari, Alfa Romeo, Lancia e Maserati - essas marcas encantadoras que povoam os sonhos daqueles que são entusiastas por carros esportivos. Mas sabe qual o conversível que lhe fala ao coração? Sabe sim: o brasileiríssimo MP Lafer.

Sua paixão por este carro o fez importar um exemplar do livro "MP Lafer: a recriação de um ícone" mesmo não sabendo ler em português. O ponto alto de tamanha gentileza foi levar o livro para um passeio a bordo de seu MP Lafer, nas imediações do vulcão Etna - o que para nós foi um motivo de doce satisfação, cabendo aqui o nosso sincero agradecimento.

O MP, o livro e o vulcão: recriando o ícone num lugar mitológico.
O MP, o livro e o vulcão: recriando o ícone num lugar mitológico.

Cena semelhante, vista de outro ângulo.
Cena semelhante, vista de outro ângulo.

Criatividade italiana para conservar o MP Lafer: calotas cromadas de Fusca.
Criatividade italiana para conservar o MP Lafer: calotas cromadas de Fusca.

Galeria 2012: Rapisarda

MPs em São Sebastião do Caí - 2015

A MP Lafer do Saraiva, pois ele a trata como máquina, no feminino mesmo.
A MP Lafer do Saraiva, pois ele a trata como máquina, no feminino mesmo.

Custodio Saraiva escreve em 03 de maio de 2015:

"Há muito estou para escrever dando noticias a respeito do Sul e de minha MP.
Agora em Porto Alegre já existem muitos entusiastas da "baratinha".
É muito frequente nos encontros de antigos a presença luminosa da MP.
No feriado de primeiro de maio houve um encontro na cidade de São Sebastião do Caí, Rio Grande do Sul.
Combinamos de sair de Porto Alegre com nossos MPs e ao longo do caminho outros se juntaram,formando uma bela imagem ao longo do trajeto, despertando a atenção de todos que cruzavam por nós e se obrigavam a sacar o celular para eternizar aquele momento de rara beleza.
Envio algumas fotos para teres uma ideia.
Um grande abraço!"

É uma satisfação receber as noticias do amigo sulista e poder compartilhar com os leitores do mplafer.net - que surgiu justamente com a proposta de publicar as colaborações enviadas por e-mail, muito antes das redes sociais tomarem conta da Internet.

O interior gaúcho já é lindo -  e com MPs na estrada, então?
O interior gaúcho já é lindo -  e com MPs na estrada, então?

As baratinhas estacionadas em São Sebastião do Caí, distante 60 km de Porto Alegre.
As baratinhas estacionadas em São Sebastião do Caí, distante 60 km de Porto Alegre.

Veja também:


Serra Negra 2015 por Gilberto Martines

A reunião de conversíveis antes da largada para Serra Negra.
A reunião de conversíveis antes da largada para Serra Negra.

Jean, boa noite!

Cheguei a pouco de Serra Negra e já li sua matéria sobre o 19° passeio em Serra Negra. O relato ficou muito bom, parabéns. Estou enviando algumas fotos do 19° passeio anual do Clube do MP Lafer Brasil.

No inicio do mês de abril foi divulgado por e-mail e pelo nosso site mplafer.net o convite do nosso passeio anual. Como já vem acontecendo há 18 anos, abril é o mês escolhido pelo Clube do MP para realizar o nosso evento.

Pessoalmente tive o prazer de estar presente em todas as edições. Hoje, antes de fazer um relato sobre o passeio, gostaria de parabenizar os nossos amigos Walter Arruda e Romeu Nardini, organizadores do encontro, que por sinal estava ótimo.

E porque começar parabenizando os amigos?

Alguns laferistas já me questionaram querendo saber por que é que se repetem os passeios em algumas cidades - a maioria deles sugere fazer em cidades diferentes. Estou tomando a liberdade de expor alguns motivos por isto ocorrer. Os organizadores tem que levar em conta alguns fatores para que o evento ocorra com o menor numero de erros e que agrade a maioria dos participantes.

Rodovias de pistas duplas são as mais indicadas para os passeios do MP.
Rodovias de pistas duplas são as mais indicadas para os passeios do MP. 

Em primeiro lugar deve-se escolher uma cidade próxima à grande São Paulo, com distância máxima de 250 quilômetros, para não cansar muito os motoristas. Uma vez escolhido o local, é preciso contatar o responsável pela parte de turismo, para ver se a cidade tem algum espaço que possa ser cedido, onde possam ser estacionados entre 80 a 100 carros, para os mesmos fiquem bem acomodados e seguros.

Quanto ao trajeto, deve-se pensar num caminho por rodovias seguras e que tenham recursos para coibir acidentes. A cidade tem que ter hotéis e restaurantes que possam atender as nossas necessidades e se possível algumas atividades para nossas mulheres também desfrutem dos passeios. Portanto, não é fácil fazer isso sem que ocorra a reincidência do evento em algumas cidades.

Agora vamos ao nosso evento: o 19° Passeio do Clube do MP Lafer Brasil foi marcado para o dia 25 de abril de 2015, para a cidade de Serra Negra, no Circuito das Águas, interior de São Paulo. O ponto de partida foi o posto BR do km 28 da Rodovia dos Bandeirantes. O roteiro seguiu pela mesma até o km 95, acessando a Rodovia Adalberto Pazan, e na sequencia a Rodovia Dom Pedro, Rodovia Dr. Adhemar de Barros, Rodovia Engenheiro João Tosello até a cidade de Lindóia, de lá até Serra Negra.

No sábado ensolarado, 65 MPs estavam concentrados e aguardando com ansiedade a partida. Às 10 horas saímos em carreata.  Nos pedágios a fila de MPs se espalha, formando uma imagem semelhante ao delta de um rio. Logo após a passagem de cada pedágio a fila volta a se reorganizar atrás do carro madrinha, lembrando nesse momento patinhos seguindo a mãe.

Banda da cidade de Serra Negra recepciona a turma do MP Lafer.
Banda da cidade de Serra Negra recepciona a turma do MP Lafer.

Pelo caminho, mais alguns carros se juntaram ao nosso grupo, em Lindóia mais um grupo de carros de carros se uniram a nós e, ao entramos em Serra Negra, outro grupo nos aguardava. Às 13 horas chegamos ao nosso destino. Fomos recebidos por uma banda da cidade, executando várias musicas. Neste momento computei a presença de 79 MPs estacionados.

Detalhe da camisa pólo do grupo carioca  "Amigos do MP Lafer".
Detalhe da camisa pólo do grupo carioca  "Amigos do MP Lafer".

Um dos grupos que se juntaram a nós estava formado por sete carros vindos da capital do Rio de Janeiro e da região de Cabo Frio - estes viajaram mais de 700 quilômetros para prestigiarem o nosso passeio, todos uniformizados com uma camiseta na cor cinza, com o emblema dos “Amigos do MP Lafer”. Aos poucos o pessoal se espalhou para almoçar.

As 15:30 horas teve início a nossa confraternização. A prefeitura nos disponibilizou um pequeno palanque e o Walter, nosso presidente, ligou um microfone a uma caixa de som amplificada e fez o uso da palavra para fazer alguns agradecimentos, em especial ao Sr. Godoy, secretario de turismo de Serra Negra.  Romeu Nardini, nosso diretor, apesar de estar morando agora em Andradina, na divisa com Mato Grosso do Sul, viajou mais de 600 quilômetros para marcar sua presença. E por fim Pedro Bergaro também fez uso da palavra.

Oito dezenas de MPs estacionados no centro de Serra Negra.
Oito dezenas de MPs estacionados no centro de Serra Negra.

A confraternização foi finalizada com o sorteio de algumas prendas. Neste momento o pessoal foi se dispersando: um grupo voltou para São Paulo e outros permaneceram na cidade. A maioria ficou hospedada no Hotel Serra Negra Palace. Também fiquei hospedado ali, onde o jantar foi servido com música ao vivo, tudo muito bom. Aos poucos fomos cada um para seus aposentos, para o descanso merecido.

Passeando de carro antigo pelo Circuito das Águas.
Passeando de carro antigo pelo Circuito das Águas.

Hoje, após o café da manhã e mais um passeio pela cidade, almoçamos e retornamos. Graças a Deus fizemos boa viagem.

O descanso merecido de Toninho e sua equipe, depois de passar um dia na estrada socorrendo MPs
O descanso merecido de Toninho e sua equipe, depois de passar um dia na estrada socorrendo MPs.

Não poderia deixar de agradecer a presença do Toninho da Tony Car, que sempre está presente em nossos passeios oferecendo assistência em algum carro que venha apresentar algum problema. Um abraço a todos os amigos.

Gilberto Martines
26 de abril de 2015

Agradecemos ao João R. Silva, amigo do Giba, pelo envio do exemplar do jornal "O Serrano" de 01 de maio de 2015, com a nota referente ao passeio do MP Lafer.
Agradecemos ao João R. Silva, amigo do Giba, pelo envio do exemplar do jornal "O Serrano" de 01 de maio de 2015, com a nota referente ao passeio do MP Lafer.


MPs em Serra Negra 2015

19º Passeio do MP Lafer - Serra Negra 2015

O A e o Z: o primeiro protótipo da Lafer, apresentado em 1972, ao lado do último MP da versão TI licenciado pela fábrica, em 1989.
O A e o Z: o primeiro protótipo da Lafer, apresentado em 1972, ao lado do último MP da versão TI licenciado pela fábrica, em 1989.

Romeu Nardini, diretor do Clube do MP, mudou-se para Andradina, distante mais de 600 km de São Paulo. Neste ano ele foi de carona.
Romeu Nardini, diretor do Clube do MP, mudou-se para Andradina, distante mais de 600 km de São Paulo. Neste ano ele foi de carona.

Um momento emocionante, quando os MPs ligam seus motores no km 28 da Rodovia dos Bandeirantes, antes de percorrer quase 180 km até Serra Negra.
Um momento emocionante, quando os MPs ligam seus motores no km 28 da Rodovia dos Bandeirantes, antes de percorrer quase 180 km até Serra Negra.

Uma escolha sensata

Pela terceira vez o Clube MP Lafer Brasil levou seu passeio anual para a cidade de Serra Negra, no Circuito das Águas de São Paulo, na aconchegante Serra da Mantiqueira. Foi para lá que o primeiro passeio do MP foi realizado, em 1998, reunindo 42 carros. Em 2006 a marca impressionante de 100 unidades foi atingida diante da presença ilustre de Percival Lafer, o idealizador do modelo que pela primeira vez prestigiou um evento desta entidade.

Agora em 2015, após algumas edições com menos de 60 carros participantes, o Clube do MP voltou a reunir respeitáveis 80 carros - um número a festejar diante da "diáspora" de MPs verificada nos últimos anos, com vários conversíveis seguindo para outros estados brasileiros e até mesmo países, dificultando a aglomeração destes nos encontros semestrais (passeios e almoços natalinos).

Tudo ajudou neste 25 de abril: não choveu, a temperatura estava moderada e o sol se escondia, de vez em quando, atrás das nuvens de outono. As estradas escolhidas para o passeio estavam em ótimas condições e nem o trânsito pesado na Rodovia dos Bandeirantes tirou o brilho dos cromados. Alguns carros ficaram no acostamento, é verdade, mas o socorro mecânico da oficina Tony Car prevaleceu mais uma vez.

Nas praças de pedágio, deveriam pagar aos motoristas de MP por deixarem as estradas mais bonitas, mas as cobranças foram normais.
Nas praças de pedágio, deveriam pagar aos motoristas de MP por deixarem as estradas mais bonitas, mas as cobranças foram normais.

Da mureta de um viaduto, o fotógrafo captura a passagem de um MP Lafer pela região de Campinas.
Da mureta de um viaduto, o fotógrafo captura a passagem de um MP Lafer pela região de Campinas.

O calor do asfalto, próximo ao horário do sol a pino, impede a nitidez de visualização da traseira do MP que vai a frente.
O calor do asfalto, próximo ao horário do sol a pino, impede a nitidez de visualização da traseira do MP que vai a frente.

Sob a copa de uma árvore frondosa, a Serra da Mantiqueira se descortina diante de uma plêiade de conversíveis.
Sob a copa de uma árvore frondosa, a Serra da Mantiqueira se descortina diante de uma plêiade de conversíveis.

Percorrendo vales verdejantes e aspirando o ar puro dos campos: o interior do nosso Brasil é lindo demais.
Percorrendo vales verdejantes e aspirando o ar puro dos campos: o interior do nosso Brasil é lindo demais.

Ao pé da montanha um roadster segue o outro, contornando curvas e tangenciando frames de prazer.
Ao pé da montanha um roadster segue o outro, contornando curvas e tangenciando frames de prazer.
Um tipo de mágica

Quando dezenas de MPs ligam seus motores ao mesmo tempo, e partem em fila indiana pelos rincões desbravados outrora por bandeirantes, junto com a queima de combustíveis fósseis são liberadas na atmosfera nuvens de um pó invisível - como se fosse de pirlimpimpim - que se não fazem as pessoas voarem, as fazem se sentirem muito próximas umas das outras.

Isso é muito bom, especialmente  num país que vem se acostumando com o radicalismo nas questões políticas. É gratificante observar as pessoas apertando as mãos ao lado de seus MPs, sabendo que uns são progressistas de carteirinha e outros são conservadores assumidos. O mesmo se aplica para questões religiosas e neste ponto o Clube do MP é claramente ecumênico, reunindo cristãos, judeus, budistas, muçulmanos, espíritas e também os agnósticos.

Jovens, idosos, negros, brancos, pardos e amarelos. Vemos todos eles representandos nos cockpits do MP Lafer, cujas cores, que partem do prateado e vão até o cor de rosa, refletem a bandeira da tolerância. Pudéssemos ter dinheiro de sobra para fabricar novos MPs e entregá-los para nossos líderes se reunirem numa estrada e então resolveríamos os problemas mais simples e paradoxalmente complexos da humanidade.

E nesse passe de mágica liberada pelos escapamentos dos MPs, sentimos que temos os melhores amigos do mundo, viajando juntos nos melhores carros do mundo. Pena que tudo passa rápido demais, porém as reminiscências geradas por esse transe coletivo fazem bem ao coração.

Antes de chegar em Serra Negra, uma breve passagem pela pacata cidade de Lindóia, com pouco mais de seis mil habitantes.
Antes de chegar em Serra Negra, uma breve passagem pela pacata cidade de Lindóia, com pouco mais de seis mil habitantes.

No último trecho do percurso, já no miolo do Circuito das Águas de São Paulo, o clima ameno não impede o bronzeamento de braços e rostos daqueles que transitaram com a capota abaixada.
No último trecho do percurso, já no miolo do Circuito das Águas de São Paulo, o clima ameno não impede o bronzeamento de braços e rostos daqueles que transitaram com a capota abaixada.

Neste sábado de sol, o único trabalho do dia: controlar o volante, passar as marchas, frear e acelerar a máquina que deixa as pessoas mais felizes.
Neste sábado de sol, o único trabalho do dia: controlar o volante, passar as marchas, frear e acelerar a máquina que deixa as pessoas mais felizes.

No centro de Serra Negra uma parte da avenida foi interditada para abrigar a coleção de MPs que apontam para o infinito.
No centro de Serra Negra uma parte da avenida foi interditada para abrigar a coleção de MPs que apontam para o infinito.

Enquanto a turma foi almoçar, aproveitamos para fotografar os conversíveis descansando em Serra Negra.
Enquanto a turma foi almoçar, aproveitamos para fotografar os conversíveis descansando em Serra Negra.

Os sete bravos do Rio de Janeiro

A grande marca do passeio do MP Lafer para Serra Negra, em 2015, foi a presença de sete MPs vindos do Rio de Janeiro, perfazendo quase 10% dos carros reunidos na cidade. Vestindo a camisa dos Amigos do MP Lafer, com bandeiras do Rio de Janeiro e São Paulo, afixadas nos para-brisas dos carros, eles partiram na madrugada de sexta-feira em direção ao interior de São Paulo, fazendo várias paradas para descanso e chegando ao hotel depois de nove horas de viagem.

No sábado, eles se dirigiram para a saída de Lindóia, esperando a passagem dos demais carros que participaram do evento, podendo sentir, por alguns quilômetros, a sensação de viajar acompanhado por dezenas de carros do mesmo modelo. Os laferistas do Rio de Janeiro não vieram sozinhos guiando os conversíveis: estavam acompanhados de suas esposas e colegas que guiaram carros convencionais.

No momento em que este artigo está sendo escrito, na manhã de domingo, nossos amigos do Rio de Janeiro ainda estão na estrada, fazendo o caminho de volta. Alguns deles moram na região de Cabo Frio e terão percorrido quase 1.500 quilômetros ao fim desta epopeia. Eis uma inevitável prova de amor e entusiasmo que merece nossas mais sinceras e cristalinas homenagens.

Estes sete MPs vieram de diversas cidades do Rio de Janeiro especialmente para o evento.
Estes sete MPs vieram de diversas cidades do Rio de Janeiro especialmente para o evento.

Os Amigos do MP Lafer do Rio de Janeiro e os membros do Clube MP Lafer Brasil, de camisas vermelhas. (foto: Dani Manzan)
Os Amigos do MP Lafer do Rio de Janeiro e os membros do Clube MP Lafer Brasil, de camisas vermelhas.

Parabéns aos cariocas e fluminenses que cruzam fronteiras para demonstrar sua paixão pelo MP Lafer.
Parabéns aos cariocas e fluminenses que cruzam fronteiras para demonstrar sua paixão pelo MP Lafer.

Em 2016 tem mais!

Por Jean Tosetto

Veja também:

O conversível paulista que fez sucesso nas ruas cariocas

Anúncio do MP Lafer publicado em 04 de maio de 1975 no jornal "O Globo".
Anúncio do MP Lafer publicado em 04 de maio de 1975 no jornal "O Globo".

Em homenagem aos Amigos do MP Lafer do Rio de Janeiro, resgatamos um anúncio do modelo publicado no jornal "O Globo" em meados de 1975. Na ocasião quatro concessionárias se reuniram para divulgar as qualidades do MP Lafer através de um desenho estilizado do carro, junto de um casal diante de um cenário tropical. Eram elas: a "União dos Revendedores", a "Auto Industrial", a "Auto Modêlo" e a "Guanauto".


Veja também: 


O slogan destacado na comunicação não poderia ser mais ousado: "Um carro como o MP-Lafer aparece em cada 100 anos. Aproveite." - Se considerarmos que em 1975 o advento do automóvel ainda estava completando um século, conclui-se que o conversível de São Bernardo do Campo seria um carro único. Se querem saber nossa opinião, achamos que ele é mesmo.