O Lafer LL no Museu do Automóvel de Canela

O engenheiro Flavio Fernandes ao lado do Lafer LL que ajudou a fabricar.
O engenheiro Flavio Fernandes ao lado do Lafer LL que ajudou a fabricar.

O Lafer LL foi um investimento da marca para atender o mercado brasileiro de ponta após a proibição da importação de veículos na década de 1970.

No livro "MP Lafer: a recriação do um ícone" um dos capítulos mais difíceis - e também mais prazerosos - para escrever foi justamente sobre o projeto do Lafer LL, do qual foram construídos menos de dez protótipos e sobre o qual havia pouca informação registrada.

Conseguimos entrar em contato com pouquíssimos proprietários e ex-proprietários do modelo, solicitando fotografias do mesmo, ou mesmo permissão para ir até o local de guarda do carro para fotografar. A despeito da cordial formalidade a nós dispensada, o que recebemos foram respostas lacônicas.

Felizmente a própria Lafer, após tomar conhecimento da nossa proposta editorial, nos forneceu preciosas imagens de arquivo que enriqueceram a entrevista feita com o engenheiro Flavio Fernandes, que atualmente trabalha para uma marca gigante do automobilismo mundial, mas que iniciou a carreira justamente na sala de projetos da Lafer, entre 1978 e 1979.

A conversa se desenvolveu na varanda de um grande hotel de Águas de Lindóia em São Paulo, onde ocorre o principal encontro anual de carros antigos e especiais do Brasil. Nossa felicidade em constatar que estávamos diante de um amigo foi confirmada quando ele se lembrou de nós anos depois, passando férias de fim de ano na Serra Gaúcha.

Em visita ao Museu do Automóvel de Canela ele se deparou com um Lafer LL 1978 estacionado ao lado de um Brasinca Uirapuru: "Vou te dizer que fiquei emocionado ao chegar ao lado desse carro. Muita vontade de resgatar aquele LL encontrado em Manaus."

Agradecemos ao Flavio por se lembrar do mplafer.net num momento que certamente teve um significado especial para ele. De nossa parte, não guardamos imagens em memórias de smartphones: fazemos questão de compartilhar com todos os laferistas que visitam nossa página que bateu seu recorde histórico de pageviews em dezembro de 2016, mesmo com um tal de Facebook para atrapalhar.

Veja também:

As chaves da boa esperança

Às vezes o que é extraordinário está escondido nas entrelinhas de algo absolutamente corriqueiro.

Às vezes o que é extraordinário está escondido nas entrelinhas de algo absolutamente corriqueiro. 

Por Jean Tosetto *

Caro 26 de Dezembro,

As pessoas não dão muita importância para você. Na TV os canais anunciam as retrospectivas de cada ano e nem te levam em consideração. Você é como aquele minuto de desconto de um jogo de futebol com o placar definido, quando o narrador pede para os telespectadores não perderem o próximo capítulo da novela.

Mas deixe-me contar o que aconteceu no seu dia.

Peguei o carro da esposa e fui ao centro resolver pendências. O trânsito da cidade estava surpreendentemente tranquilo, como antigamente. Mesmo assim estacionei numa rua paralela da avenida, para evitar os sinais de trânsito.

Fui num banco fazer um depósito e no outro para retirar um cheque mal preenchido. E tome fila e chá de cadeira - situação atenuada pela falta de pressa nessa época do ano.

Finalmente voltei para o carro. Fui pescar a chave no bolso e nada. Percebi que havia um trecho dele com a costura desfeita. A chave havia sumido...

Refiz todo o trajeto vagarosamente, esquadrinhando cada metro quadrado de chão com os olhos. E nada. Falei com o segurança de um banco. Nada. Falei com o segurança do outro. Nada.

Comecei a pensar no transtorno de ligar para a esposa e pedir para ela trazer a chave reserva. Ainda teria que ir à agência pedir outra chave e reprogramar o chip que as chaves modernas possuem. E a chatice que seria providenciar isso?

Então pensei que talvez a chave estivesse no volante do carro. A poucos metros dele o celular tocou. Era a minha esposa.

- Você perdeu a chave do carro?

- Como você sabe?

O vizinho tinha avisado. Ele recebeu um telefonema da Polícia Militar, avisando que a chave estava na sede da Defesa Civil de Paulínia, bem na esquina onde eu havia estacionado o carro.

O alívio foi proporcional ao transtorno de antes. Agradeci efusivamente aos membros da Defesa Civil. Eles disseram que dois bombeiros haviam deixado a chave com eles.

Antes de entrar em casa fui agradecer ao vizinho. Ele disse que a Polícia ligou para a sua casa, pois o nosso telefone residencial não consta na lista. Certamente nos localizaram por causa da placa do carro, mas isso não fechou o mistério.

De noite fui até a padaria comprar pão. Logo em seguida entraram dois homens fardados - eram do Corpo de Bombeiros.

- Você é o dono do Pálio Weekend?

- Sim, pois não?

- Você encontrou a chave?

Nesse momento vi uma ambulância de resgate estacionada lá fora. Eles tinham atendido uma ocorrência perto do meu bairro e viram o carro da minha esposa na padaria.

Eles me contaram que um senhor havia encontrado a chave no chão, do lado do carro. Ele testou o botão do alarme e certificou que era a chave deste, entregando-a para os bombeiros que passavam por ali, que a deixaram na Defesa Civil.

Mais agradecimentos e o aviso para contarem comigo no que fosse preciso.

Voltando para casa, de novo, concluí que o mundo ainda tem esperança, que ainda existem pessoas honestas, que a Polícia existe para proteger e servir, e que os bombeiros são heróis anônimos da sociedade.

Isso tudo aconteceu num 26 de Dezembro, meu caro. Sabe o motivo?

É que você é um dia especial.

* Jean Tosetto é arquiteto desde 1999 e editor do site mplafer.net desde 2001. É também autor do livro “MP Lafer: a recriação de um ícone” - lançado em 2012. Este artigo foi publicado originalmente na Revista MotorMachine número 07, em março de 2014.

Veja também:

Feliz Natal e Próspero 2017!

Boas Festas! São os votos de MPLAFER.net!

Chega o fim do ano e você está uma pilha - uma pilha de nervos.
Sabemos como é.
Você tem um pilha de pendências para resolver.
Em breve terá um pilha de contas para pagar.
Todos teremos...

Mas nós lhe oferecemos outro tipo de pilha.
Uma pilha de carrinhos? Também.
Mas a pilha que importa é a pilha de motivos para renovarmos a esperança.
Não importa o credo se o que desejamos vem carregado de sinceridade.

Por isso desejamos para você e sua família um
Feliz Natal e um Próspero Ano Novo
de pilhas recarregadas!

Almoço do Clube do MP em Itapecerica da Serra - 2016

Com a inauguração de modernas - e caras - arenas em São Paulo, o Pacaembu se volta cada vez mais para eventos esporádicos de outras expressões de cultura.
Com a inauguração de modernas - e caras - arenas em São Paulo, o Pacaembu se volta cada vez mais para eventos esporádicos de outras expressões de cultura.

Dos anos de 1980 nos bastaria reviver o glamour de carros como o MP Lafer, mas os brasileiros estão revivendo teimosamente, no campo econômico, a década perdida. Em termos políticos nem sabemos onde estamos. Que bom que podemos, de vez em quando, almoçar juntos para revigorar o senso de humor.

Por Gilberto Martines

O ano de 2016 foi um ano bastante difícil para a maioria dos brasileiros: tivemos muitos problemas econômicos, políticos, sociais e finalizando com a triste tragédia do acidente aéreo envolvendo o avião que transportava o time de futebol da Chapecoense, o que abalou os brasileiros.

Porém, o motivo do meu contato é pra falar de coisas boas, falar do almoço de final de ano que agrega os entusiastas do Clube MP Lafer Brasil. Este ano repetiram o local em que foi realizado o almoço do ano passado.

Repetimos o almoço na “Churrascaria Dr. Costela", pois o buffet oferecido agrada muita gente, localizada na Rodovia Regis Bittencourt, km 293,5, no município de Itapecerica da Serra. O ponto de encontro foi a Praça Charles Miller, em frente ao Estádio do Pacaembu. O sábado amanheceu ensolarado com muito calor, mas a previsão do tempo era de chuva, isso fez com que alguns laferistas deixassem de participar do almoço. No momento da partida estavam presentes aproximadamente 30 MPs.

Cheguei ao Pacaembu às 9:15 horas e já estavam presentes alguns carros. Reencontramos os amigos, num momento de tirar fotos e aguardar a partida. Esteve presente o nosso amigo e diretor Romeu Nardini,  mesmo não morando mais em São Paulo veio especialmente para participar do almoço.

Uma mão no volante e outra para acionar a máquina fotográfica, no acostamento da estrada.
Uma mão no volante e outra para acionar a máquina fotográfica, no acostamento da estrada.

Às 10 horas partimos em carreata fazendo o seguinte trajeto: Avenida Pacaembu, Avenida Doutor Arnaldo, Avenida Rebouças, Avenida Eusébio Matoso, Avenida Francisco Morato, passando por Taboão da Serra, chegando até a Rodovia Regis Bittencourt até chegar ao nosso destino.

Ao chegarmos ao restaurante mais alguns carros já nos aguardavam. Eles por facilidade usaram o Rodoanel para chegar ao restaurante e neste momento contávamos com a presença de 40 MPs.

Publicidade gratuita para o restaurante: em tempos de crise, as ações colaborativas são ressaltadas.
Publicidade gratuita para o restaurante: em tempos de crise, as ações colaborativas são ressaltadas.

Fomos recebidos na porta pelo dono do restaurante que aproveitou nossa chegada para fazer umas fotos para registro. O restaurante é muito  agradável e aconchegante, com música ao vivo e comida boa: rodízio de carnes com destaque para a costela assada e buffet de saladas e guarnições, o almoço como sempre foi muito gostoso e animado.

As camisas vermelhas saíram do armário novamente, depois de um período turbilento na política.
As camisas vermelhas saíram do armário novamente, depois de um período turbilento na política.

Após o almoço o nosso presidente Walter fez o sorteio de alguns brindes e uso da palavra para agradecer a presença de todos, aproveitando para desejar um Feliz Natal e um 2017 com muita saúde e paz a todos os presentes.

Aproveito aqui para dar meus parabéns e o agradecer ao Walter pela escolha e organização do almoço, e desejar aos amigos laferistas votos de muita alegria e saúde para o próximo ano.

Veja também:

Pomerode reúne amigos da Volks - 2016

Fusca, MP Lafer e Porsche: todos com motor boxer.
Fusca, MP Lafer e Porsche: todos com motor boxer.
Por Eliel Nascimento

Nos dias Dias 03 e 04 de dezembro de 2016 teve "Volksfriends" em Pomerode, Santa Catarina. Gente de todo Brasil. Incrível a quantidade de pessoas no recinto, apesar da chuva.

Estive presente com dois carros, meu Fusca "The Best" branco. Fui o único representante de MP Lafer no evento, pena que não pude baixar a capota por causa da chuva.

Posso afirmar que nosso modelo de carro desperta a paixão do todos, de velhos a crianças. Muito legal ter levado o carro MP Lafer Ti neste encontro.

Quem sabe no futuro eu possa receber uma caravana de MPs para me fazer companhia!

Variant, Brasília e Kombi: a família VW é grande.
Variant, Brasília e Kombi: a família VW é grande.

O clima instável não afugentou os mais entusiasmados.
O clima instável não afugentou os mais entusiasmados.

Veja também:

CAAT realiza seu primeiro passeio de MP Lafer no Vale do Paraíba

Carros alinhados para seguir viagem e encontrar outros companheiros.
Carros alinhados para seguir viagem e encontrar outros companheiros.

Por Jean Tosetto

O CAAT - Clube de Autos Antigos de Taubaté - realizou o primeiro passeio somente para veículos da marca Lafer no Vale do Paraíba, em 27 de novembro de 2016. A largada do passeio ocorreu pouco depois das dez horas da manhã, no último posto de combustíveis da Rodovia Carvalho Pinto, no sentido São Paulo a Taubaté, na divisa com o município de Caçapava.

Visual que sempre encanta quem participa de um evento como este.
Visual que sempre encanta quem participa de um evento como este.

Os participantes seguiram para Tremembé e depois para Santo Antônio do Pinhal, na região de Campos do Jordão, nos contrafortes da Serra da Mantiqueira, no Vale do Paraíba, estado de São Paulo. O clima estava muito agradável e os membros laferistas do CAAT puderam visitar atrações turísticas da região e almoçar no Restaurante Bodega.

Faróis acessos na estrada durante o dia: agora é lei no Brasil.
Faróis acessos na estrada durante o dia: agora é lei no Brasil.

Estivemos presentes somente no momento da largada, retornando para Caçapava logo em seguida, por razões familiares. Por isso, você confere mais fotos do evento no álbum do Paulo Guino, publicado no Facebook.

Veja também:

Galeria 2016: Fabri

O MP Lafer 1979 ao lado do Buick 1969.
O MP Lafer 1979 ao lado do Buick 1969.

TAL FILHO & TAL PAI

Em 28 de julho de 2016 o Filipe Fabri entrou em contato conosco para encomendar um exemplar do livro "MP Lafer: a recriação de um ícone" que ele queria dar de presente para seu pai, Ilmar, com uma dedicatória. Confira o recado:

"Na dedicatória, se possível coloque algo relativo ao fato de eu ter colocado 'ferrugem' na veia dele, pois devido a ele me ver com meu Buick nos encontros, que ele animou de ir comprar um, que foi uma aventura, viajamos 750 km e voltamos rodando do MP Lafer."

O MP Lafer 1979 foi comprado em Lins, no interior de São Paulo, e agora brilha nas ruas de Nova Lima, em Minas Gerais.

O conversível da esquerda é da escola europeia com um tempero brasileiro. Já o da direita ostenta o padrão americano em suas dimensões.
O conversível da esquerda é da escola europeia com um tempero brasileiro. Já o da direita ostenta o padrão americano em suas dimensões.

Pai e filho podem desfrutar de experiências distintas ao volante de dois conversíveis.
Pai e filho podem desfrutar de experiências distintas ao volante de dois conversíveis.

Veja também:

Uma crônica napolitana
Caravan SS: saudades do sul
MP Lafer - a primeira vez ninguém esquece